Educação a distância teve o maior crescimento desde 2008, segundo Inep

20/09/2018 11:57 - Atualizado em 20/09/2018 14:47

(Foto: Reprodução)

De acordo com o Censo da Educação Superior divulgado na manhã desta quinta-feira (20) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), um em cada cinco estudantes matriculados no ensino superior estuda a distância. Enquanto o ensino presencial apresentou queda nas matrículas, a educação a distância (EaD) registrou o maior crescimento desde 2008.

O número de cursos no país também aumentou, de 2016 para 2017, passou de 1.662 para 2.108, o que representa aumento de 26,8%  maior saldo desde 2009, quando o país passou dos 647 cursos registrados até 2008 para 844 cursos. O ensino superior tem cerca de 8,3 milhões de estudantes em cursos de graduação. Desses, 6,5 milhões estão matriculados em cursos presenciais. Diferente que vem acontecendo com os cursos de EaD, o número de estudantes nos presenciais caiu 0,4% de 2016 para 2017.

O número de cursos no país também aumentou, de 2016 para 2017, passou de 1.662 para 2.108, o que representa aumento de 26,8% – maior crescimento desde 2009, quando o país passou dos 647 cursos registrados até 2008 para 844 cursos. Dos 3,2 milhões de novos alunos registrados no ensino superior em 2017, a maioria optou pelo ensino presencial – aumento de 0,5% em relação a 2016. A procura por cursos a distância cresceu mais. Os ingressantes passaram de 843 mil em 2016 para cerca de 1,1 milhão em 2017, um aumento de 27,3%.

Em relação à formação dos professores que atuam nos cursos EaD, segundo o censo, eles são, em grande parte, mestres. Enquanto na educação presencial, os professores com doutorado representam 51,1% do total, na EaD, eles representam 41,8%; outros 46,5% têm a formação até o mestrado. A educação a distância tem conquistado também os cursos preparatórios para concursos, são geralmente mais curtos e mais voltados para a preparação para grandes certames.

Já os cursos tecnológicos também sofreram migraram para o ensino EAD, com 46% do total das matrículas, os cursos podem durar dois ou três anos, e são geralmente mais curtos e mais voltados para a inserção no mercado de trabalho e representando 12,1% do total de matrículas no ensino superior.

(Com informações da Agência Brasil)

NOTÍCIASRELACIONADAS