Relato de professora que ajudou aluno a passar na Uepa emociona e viraliza na web

29/01/2019 12:20 - Atualizado em 29/01/2019 15:56

A história do estudante viralizou na internet e se tornou inspiração para outros alunos. (Foto: Reprodução)

A história de um estudante morador da periferia do bairro do Marco, em Belém, tornou-se uma verdadeira inspiração para muitos alunos que almejam passar em uma universidade. A parceria entre uma professora e o estudante emocionou diversos internautas e acabou viralizando na web. 

O sonho de ouvir o nome no listão dos aprovados da Universidade do Estado do Pará (Uepa) tornou-se real para Jairtom Rogério Lima Oliveira Filho, de 22 anos. O jovem, que já tinha pensado em desistir dos estudos, viu na professora de redação a esperança de chegar à universidade. 

No relato em uma rede social, Joana Vieira fala um pouco sobre a história do estudante e as dificuldades que surgiram ao longo de sua trajetória até a aprovação. O primeiro encontro dos dois aconteceu em uma aula inaugural promovida pelo cursinho da professora. "Era a aula inaugural do nosso curso e qualquer pessoa poderia assistir se quisesse conhecer. Ele tinha ouvido falar de mim, uma amiga havia dito que eu era a 'melhor' em redação. Ele era péssimo na disciplina. Foi lá. Assistiu a aula. Ouviu tudo e, como qualquer desconhecido, não foi percebido. Na saída da sala, no final da aula, ele me chamou no corredor com os olhos vermelhos tentando não chorar", destacou a professora.

Professora Joana ao lado de Jairtom em uma das aulas no cursinho. Foto: Arquivo Pessoal.

Logo de cara, Jairtom percebeu que aquela seria uma boa oportunidade para a realização de seu sonho. "Após a aula, saí com o seguinte pensamento: 'Não posso perder a minha vaga. Essa mulher pode me ajudar'. Ao sair, compartilhei a minha situação pessoal. Aquela aula me fez acreditar que eu conseguiria alcançar meu sonho, se eu acreditasse em mim e no trabalho da professora Joana", ressaltou o estudante. 

Sem dinheiro para custear o cursinho, Jairtom sugeriu a venda de sua bicicleta, que era seu único meio de transporte, para conseguir o dinheiro necessário para pagar o curso. Porém, como não teria condições de pagar passagem de ônibus, acabou desistindo. Como seu único bem mais valioso era um aparelho celular, o estudante não pensou duas vezes. A proposta feita entre os dois era de que ele venderia o aparelho e pagaria o restante das mensalidades aos poucos. 

"Tenho esse celular que é meu único bem depois da minha bicicleta. Quero vendê-lo para pagar o curso completo. Ia vender a bike mas se eu vender não vou ter dinheiro para pagar o ônibus para vir assistir as aulas! Ganhei esse celular, ele está novinho, eu sei que vai fazer falta, mas o meu sonho de passar é maior. A senhora pode comprar o celular de mim e eu frequento o curso. A gente faz uma troca!", relatou a professora em sua postagem.

Ainda na publicação, Joana deixa claro que a vontade de ajudar o rapaz era grande, mas que ele precisava ter uma história de superação para contar: "Eu tenho como te isentar de tudo porque sou dona do curso, mas se eu fizer isso, vou impedir que uma linda história se realize e eu não posso interferir no teu destino dessa forma. Se eu te disser para não vender o celular e vir estudar de graça, vou tirar de ti parte da tua história e tu vais precisar viver isso para ter o que contar aos teus filhos e amigos mais tarde!".

Como a venda do celular poderia demorar um pouco, Joana sugeriu a liberação da entrada do estudante. Para isso, ele teria que chegar bem cedo e entrar junto com a professora. Sem pensar duas vezes, o estudante aceitou o convite e começou a frequentar todas as aulas no cursinho. 

"Minhas aulas eram aos sábados, às 8 hrs. Eu era pontual, não faltava aula em qualquer situação. Ela me fez acreditar, novamente, que meu sonho era possível. Eu só precisava persistir e lutar. Os dias passaram e na 3 semana eu consegui vender meu celular. Fiz o que devia ser feito, faltou uma diferença para quitar o material e a mensalidade. Ela mandou pôr na conta dela", destacou Jairtom.

Dez meses após o primeiro encontro, o momento mais esperado pelo estudante chegou. O nome de Jairtom estava entre os 40 aprovados em um dos cursos mais concorridos da Uepa, Educação Física. A felicidade tomou conta de todos que conheciam as dificuldades que o mesmo passou para chegar à aprovação. 

 Jairtom na celebração de sua conquista. (Foto: Arquivo Pessoal)

"Só eu sei as noites de angústias. Abri mão do meu comodismo para realizar o meu sonho. Ela foi a mulher que mudou a minha história e fez do meu sonho realidade. Serei eternamente grato por tudo o que ela fez por mim", afirmou o estudante.

Para a professora, ver o nome de Jairtom no listão foi um dos momentos mais marcantes em sua carreira e o orgulho tomou conta ao ver a realização do sonho daquele rapaz pobre, humilde, que vem de uma família formada por um pedreiro e uma atendente de caixa. "Eu confesso que chego até a chorar, pois passei cerca de dez meses com o Jairtom. Ele era um dos garotos que tinha tudo para ser recrutado pelo mundo do crime, mas ele foi bravo ao insistir. Meu sentimento é de mãe, de uma profissional completamente realizada. Foi muito bonito", declarou Joana emocionada. 

As limitações financeiras e psicológicas não foram suficientes para fazer o estudante desistir e, sem dúvidas, se tornar uma das histórias mais inspiradoras de pessoas que não deixaram de acreditar em seus sonhos. A trajetória foi difícil, porém, todo o esforço e sacrifício foram compensados e o resultado foi um dia de grande alegria e orgulho para ele e todos os familiares, assim como para aquela que o ajudou ao longo dessa jornada. 

"Eu havia dito que essa era a história que tinha que ser dele. Cada um de nós tem a sua história e é vivendo-a que a gente consegue ser feliz. O sofrimento é parte de todo o processo de mudança e crescimento. Eu podia ter isentado esse menino de toda a dor, mas ele não seria grande, não seria exemplo, não seria quem um dia ainda será quando formado. Eu estou feliz por ele. Ele merece muito. Sou coadjuvante, ele é o protagonista", finalizou Joana Vieira.

Confira o relato:

(Paloma Lobato/DOL)

NOTÍCIASRELACIONADAS